quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Descubra os alimentos que te deixam com sono


Os alimentos servem como combustível para o corpo. Mas alguns deles podem afetar na maneira de como o corpo funciona. O FitSugar listou os alimentos que roubam a energia durante o dia e deixam as pessoas com sono. Veja quais são:

Foto: Getty Images


Café da manhã açucarado: carboidratos refinados, tanto de açúcar quanto de farinha, podem dar um pico de energia, mas acabam com ela rapidamente. A ingestão repentina de açúcar no sangue, causada por alimentos como donuts, acabam com a produção de substâncias químicas cerebrais que te ajudam a se manter alerta.

Foto: Getty Images


Bebidas energéticas: bebidas energéticas trabalham durante um curto prazo, com aumento de açúcar e cafeína. Mas, depois de pouco tempo, os níveis de açúcar no sangue caem deixando as pessoas mais sonolentas do que estavam antes. No lugar de uma bebida energética, beba água para saciar a sua sede e ficar mais hidratado.

Foto: Getty Images


Alimentos gordurosos: simplificando, alimentos fritos e gordurosos são mais difíceis de serem digeridos. Seus órgãos internos puxam o sangue para fora de suas extremidades para facilitar a digestão, o que pode levar de seis a oito horas. Com sua energia voltada para a digestão, você vai se sentir com menos energia.

Foto: Getty Images


Comidas com pouco ferro: o ferro é o intermediário para ajudar a utilizar a energia consumida. Se você estiver consumindo pouco ferro, vai se sentir cansado. Comer uma coxa de galinha é melhor opção melhor do que a carne do peito. Além disso, sementes de abóbora são ricas para um lanche da tarde e ajudam a evitar a fuga de energia.

Foto: Getty Images


Vinho tinto: um copo de vinho no almoço pode parecer uma boa ideia, mas o álcool irá drenar toda sua energia. Uvas vermelhas também são ricas em melatonina, um hormônio produtor do sono.

Foto: Getty Images


Pular refeições: em dias estressantes, pode ser muito fácil pular uma refeição, mas infelizmente não comer vai afetar gravemente a sua energia. Quando você está com fome, o cérebro começa a poupar sua energia. Além disso, suas chances de ficar irritado são grandes.

Foto: Getty Images

Fonte: TERRA





Falta de exercício físico reduz expectativa de vida em até 10 anos

falta de atividade física pode reduzir em até 10 anos a expectativa de vida. Já quem se exercita reduz em até 50% a chance de desenvolver doenças crônicas, como câncer, diabetes e problemas cardiovasculares. Por isso, a atividade física foi considerada pelos especialistas do Simpósio sobre Balanço Energético da Série Científica Latino Americana a forma mais eficiente para combater a epidemia da obesidade.




Quem pratica exercícios físicos regularmente reduz em até 50% a chance de desenvolver doenças crônicas, como câncer, diabetes e problemas cardiovasculares.
Foto: Getty Images


O encontro, que reuniu mais de 130 especialistas e pesquisadores em nutrição e saúde pública em todo o continente, contou com a participação de John Dupley, da Universidade de Rosário, na Colômbia, que apresentou provas científicas dos benefícios da atividade física em todas as áreas da saúde. Segundo ele, fazer uma hora de exercício moderado por dia ativa cerca de 800 genes que contribuem para a manutenção da boa saúde, bem como para reduzir em até 50% o desenvolvimento de doenças fatais, como câncer, diabetes e derrame.


“Cinco intervenções no estilo de vida podem reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo dois em até 90%: não fumar, ter um consumo moderado de álcool, comer cinco porções de frutas e vegetais, fazer pelo menos 150 minutos de exercícios físicos por semana, equivalente a meia hora por dia, e ter um peso adequado”, explicou Dupley.


De acordo com os participantes do evento, o exercício e os cuidados com a alimentação são as melhores formas de combater os problemas associados ao ganho de peso. "O controle inadequado do balanço energético é provavelmente a principal causa de obesidade que afeta a América Latina", disse o Fernando Lavalle, presidente do Comitê Científico responsável pela organização do simpósio. Segundo o pesquisador da Universidade de Sonora, Mauro Valencia, o gasto energético total de um indivíduo está determinado pelo gasto do próprio metabolismo, o efeito termogênico dos alimentos e o gasto pela atividade física que é o mais variável.


“Um dos fatores determinantes no ganho de peso da população nos últimos anos é o aumento do consumo de ingestão de gordura, e não de carboidratos e açúcares, já que as gorduras têm um maior impacto no desequilíbrio de energia”, defendeu Eric Ravussin, diretor do Centro Biomédico Pennington de Pesquisa em Nutrição sobre Obesidade da Universidade do Estado de Louisiana. Segundo o especialista, o metabolismo do corpo humano funciona de forma diferente para carboidratos e gorduras. Enquanto os primeiros vão para o fígado, e servem para proporcionar energia ao músculo esquelético, as gorduras praticamente servem para desenvolver o tecido adiposo levando ao aumento de peso e medidas.


Fonte: TERRA.