quarta-feira, 30 de maio de 2012

Triglicérides e Doença das Coronárias


Há mais de quarenta anos, foi demonstrado que níveis altos de triglicérides estão associados à doença das coronárias. No entanto, essas gorduras presentes no sangue têm sido consideradas menos importantes do que certas frações do colesterol, como HDL (o colesterol “protetor”) ou LDL (o “mau” colesterol).

Em 1996, uma compilação de vários estudos demonstrou que para cada aumento de 88,5 mg na dosagem de triglicérides sanguíneos, o risco de doença coronariana aumenta 37% em mulheres e 14% nos homens.

Os médicos têm considerado aconselhável manter níveis de triglicérides abaixo de 200, mas não há unanimidade em relação a esse valor. Em 1984, o “ National Institute of Health”, dos Estados Unidos, aceitava como desejáveis valores até 250. Recentemente, o “ Baltimore Coronary Observation Program” sugeriu que níveis acima de 100 devem ser considerados anormais. Já a “ American Heart Association” aceita valores até 150.

A dieta é fator crucial na relação entre triglicérides e doença coronariana.Cada vez que ingerimos gordura, o nível de triglicérides no sangue aumenta. O grau do aumento depende dos níveis basais de triglicérides. Por exemplo, uma pessoa que em jejum tenha triglicérides igual a 80 e almoce cheeseburger com batata frita e milkshake, poderá experimentar entre 15% e 20% de elevação nos triglicérides, que atingirão valores de 92 a 96, ainda dentro da normalidade. Já em pessoa com valores basais de 300, o mesmo almoço elevará os níveis para mais de 350.


Para obtermos resultados laboratoriais confiáveis dos níveis basais de triglicérides, é preciso estar pelo menos 12 horas em jejum no momento da coleta de sangue. Além disso, existe variabilidade de 5% a 10% nos resultados de um laboratório para outro. E, pode haver até 15% de variação de acordo com a posição em pé ou deitado no momento da coleta. Esses índices pouco afetam os resultados daqueles que apresentam resultados dentro da faixa da normalidade, mas podem ser significantes para os demais. Por isso, recomenda-se jejum de 12 horas, no mínimo, colher o exame na mesma posição e no mesmo laboratório, sempre que possível.


Independentemente dessas variações, triglicérides abaixo de 100 não requerem tratamento, enquanto indivíduos com níveis superiores a 200 devem ser tratados. Na faixa entre 100 e 200, existe controvérsia em relação à necessidade de tratamento. Neste caso, fatores como história de ataques cardíacos na família, concomitância de hipertensão, diabetes, vida sedentária, tabagismo e os níveis de colesterol, devem ser levados em consideração.


Modificações de dieta são muito eficazes no controle dos triglicérides. A dieta afeta seus níveis de forma muito mais evidente do que os de colesterol. Enquanto evitar alimentos ricos em gorduras saturadas (frituras e gordura animal) reduz o colesterol de apenas 5% a 10%, os triglicérides caem 20% a 30%.

Para reduzir triglicérides é importante, também, diminuir a ingestão de açúcares, porque o glicerol neles presente forma o esqueleto químico das moléculas de triglicérides. Embora o álcool pareça ter menor impacto nos níveis de triglicérides do que se imaginava, sua ingestão concomitante com gorduras e frituras pode aumentá-los substancialmente.

O exercício físico aeróbio é fortemente recomendado para os que apresentam triglicérides elevados. Sua prática reduz os níveis de 10% a 20%. Substâncias como os ácidos graxos ômega-3, presentes no óleo de peixes como o salmão, constituem fontes alimentares importantes para quem precisa reduzir triglicérides. Para que sejam ingeridas nas quantidades adequadas, entretanto, é preciso comer cerca de 300 gramas de salmão por dia. Estão sendo desenvolvidas cápsulas de ômega-3 que supram essas quantidades de forma menos enjoativa.


Para os sedentários em que os esforços dietéticos tenham fracassado, o tratamento farmacológico está indicado. Três tipos de drogas são utilizados: niacina, estatinas e fibratos. A niacina reduz os níveis de triglicérides de 10% a 30%. Doses de um a dois gramas são eficazes também para aumentar os níveis de HDL (o colesterol “protetor”). Redução do LDL, porém, requer doses mais altas do medicamento.


As estatinas são usadas para reduzir LDL e, concomitantemente, os triglicérides. São especialmente eficazes quando os níveis basais de triglicérides ultrapassam 250, pois induzem 20% a 40% de redução (contra 5% a 10% de redução quando os níveis basais são menores do que 150). Os fibratos podem reduzir os níveis de triglicérides de 20% a 60% nos pacientes com colesterol total normal (abaixo de 200). Um grande estudo recentemente conduzido entre pessoas com colesterol normal (em média 175) e valores médios de triglicérides iguais a 161 demonstrou que os fibratos reduziram o número de eventos cardiovasculares em 22%.


Resultado impressionante, num grupo que os médicos raramente consideram necessário tratar.


FONTE: Dr. Drauzio Varella

Dietas/Emagrecimento


 Orientação para Redução de Triglicérides

Para alcançar o nosso objetivo de reduzir o trilglicérides devemos realizar uma dieta muito pobre em gordura (25g ao dia). Por isto preocupe-se sempre com o que vai comer. Observe bem os rótulos dos alimentos (a informação da quantidade de gordura) e preste atenção como você vai preparar os alimentos.

Alimentos com teores elevados de colesterol, gorduras saturadas ou gordura hidrogenada que devem ser abolidos da dieta!
Manteiga, margarina, creme de leite, chantilly
Leite integral, coalhada gorda ou queijos gordos.
Toucinho, torresmo, bacon, salames, lingüiça, presunto, apresuntada, mortadela, lombinho, salsicha e outros embutidos.
Carne de porco (pernil, lombo); e outras carnes gordas (cupim, picanha, etc).
Miúdos (miolo, rim, coração, fígado)
Frituras
Creme de ovo, maionese
Siri, camarão, lagosta, marisco, bacalhau, sardinha
Abacate, coco, amendoim, nozes.

Dieta para reduzir o triglicérides

1. Carnes: comer peixes magros (linguado, pescada e truta) ou aves (peito de frango, chester ou peru) sem pele e somente grelhados, assado ou cozidos utilizando nenhum ou a menor quantidade possível de óleo para o seu preparo. Evitar ao máximo carne de vaca, carneiro ou de porco, miúdos, frios e embutidos (salsicha, presunto e etc), sardinhas, camarão, marisco, frutos do mar e frituras em geral.

2. Laticínios: utilizar apenas leite desnatado, iogurte desnatado, iogurte com polpa de frutas zero em gordura (Linha Corpus ou Molico), queijo branco zero em gordura (Corpus e Danúbio), queijo tipo cottage e ricota. Evitar ao máximo leite integral ou alimentos que o contenham, manteiga, creme de leite, chantilly, queijos gordos (prato, provolone, muzzarela, etc.), requeijão.

3. Sorvetes: "picolés" de frutas, sorbet e frozen Yogurt zero de gordura são permitidos.

4. Pães e Cereais: preferência a pães light ou diet ou aqueles que não possuem gordura ou óleo entre os seus ingredientes (pão ciabata, pão francês, etc). Prefira macarrão sem ovo. Prepare o arroz (de preferência integral), leguminosas (feijão, lentilha, ervilhas) sem acrescentar óleo ou com a mínima quantidade possível. ; cereais integrais (aveia, trigo, centeio); cereais tipo flocos de milho, biscoitos de água e sal. Evitar: tortas, bolos, biscoitos amanteigados ou recheados, bolachas e doces em geral.

5. Frutas e vegetais: as frutas e vegetais contém uma baixa quantidade de colesterol e gordura, com exceção ao coco e abacate. Não preparar vegetais utilizando manteiga, óleo, molhos a base de maionese ou creme de leite. Uma boa dica é utilizar panelas que cozinhe no vapor ou grelhas.

6. Óleos e gorduras: utilizar o mínimo o possível e dar preferência aos óleos de canola ou oliva. Não utilizar banha de porco, manteiga., óleo de coco, óleo de amendoim, sementes oleaginosas (nozes, castanha do Pará, avelã), margarina (light ou normal) e requeijão (normal). NUNCA fritar os alimentos.

Recomendações adicionais:
Evite o açúcar (refinado, mascavo ou demerário), utilize adoçante da sua preferência.

Não ingerir bebida alcóolica de qualquer espécie.

Observe os ingredientes que são utilizados no preparo dos alimentos industrializados e dispense completamente aqueles que contenham gordura hidrogenada vegetal

Deve haver um aumento no consumo de fibras 30 à 40 g dia,(principalmente solúveis) através das frutas (laranja, banana, mamão, etc), vegetais (Brócolis, tomate, etc), cereais integrais (como arroz integral). Deve-se introduzir no café da manhã preparados com alto teor de fibra tipo All-Bran® ou Fibre-1® e adicionar no preparo de alimentos (feijão, sopas, etc) 1/4 de copo de farelo de trigo ou farelo de aveia (Oat Bran)®.

IMPORTANTE


Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.


FONTE: Dr. Ashirley de Campos.

GOTA


A gota é um tipo de artrite inflamatória causada pela deposição de cristais de urato no líquido sinovial que banha as articulações, e em outros tecidos.
Está associada a níveis elevados de ácido úrico no sangue. Quando esses níveis são iguais ou maiores do que 6,8 mg por decilitro, dizemos que existe hiperuricemia, condição causada pela dificuldade do rim em excretar urato ou pela produção exagerada dessa substância.

A hiperuricemia é condição necessária para a instalação da gota, mas não suficiente. Um estudo com grande número de pacientes com níveis de ácido úrico superiores a 9,0 mg/dL revelou que apenas 22% desenvolveram gota num período de cinco anos.

A gota tem duas fases.

Na primeira, as crises são intermitentes, duram de 7 a 10 dias, regridem, e são seguidas por um período sem sintomas. O primeiro ataque costuma ocorrer de madrugada, com uma dor tão aguda no primeiro dedo do pé que a pessoa tem a impressão de que foi picada por um bicho. A partir desse momento, o simples contato com o lençol faz o dedo doer.

A segunda fase surge como consequência do controle inadequado da hiperuricemia. Ela se manifesta sob a forma de inchaços crônicos que deformam as articulações, causados pelo processo inflamatório associado à deposição dos cristais. Ao contrário da primeira fase, os sintomas agora persistem entre as crises.

A prevalência aumenta com a idade. A doença agride o sexo masculino na proporção de cada três ou quatro homens para cada mulher, mas, à medida que as mulheres chegam à menopausa, o risco aumenta.

O risco é mais alto entre aqueles que fazem uso de determinados medicamentos: diuréticos, aspirina em baixas doses (< 1 grama/dia) ou ciclosporina para evitar rejeição de transplante.

Os principais fatores que favorecem o aparecimento de hiperuricemia e gota são: obesidade, síndrome metabólica, insuficiência renal, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, transplante de órgão e algumas condições genéticas que interferem com o metabolismo dos uratos. Diabetes reduz o risco porque os níveis mais altos de glicose na circulação colaboram para aumentar a excreção de ácido úrico.

O risco é mais alto naqueles que ingerem dietas muito ricas em purinas (particularmente carne vermelha e frutos do mar), bebidas alcoólicas (principalmente cerveja e destilados), refrigerantes e frutose. É mais baixo nos que consomem leite e derivados, café e vitamina C (que ajuda a baixar os níveis de urato).

O tratamento da gota aguda tem como objetivo controlar a dor forte causada pela inflamação. São receitados anti-inflamatórios comuns, colchicina e alguns derivados da cortisona. A duração do tratamento dependerá da resposta clínica.

Os especialistas recomendam que os portadores de gota carreguem o anti-inflamatório no bolso, para tomá-lo assim que surgir o primeiro sintoma.
A aplicação de gelo no local é medida muito útil, por causa da atividade anti-inflamatória. Quando a crise atinge apenas uma das juntas há possibilidade de injetar corticosteroides no local.

Além dessas medidas para diminuir o sofrimento na fase aguda, é fundamental controlar a hiperuricemia para reduzir o risco de novas crises e o aparecimento das deformidades articulares.

Os consensos recomendam introduzir medicamentos com essa finalidade nos casos de pelo menos dois ataques por ano ou assim que aparecerem os primeiros sinais de deformações. O objetivo é manter os níveis de ácido úrico abaixo de 6,0 mg/dL. A droga mais utilizada é o alopurinol, na dose de 300 mg por dia, que pode ser aumentada conforme a necessidade.

Evitar álcool, refrigerantes e manter dietas pobres em carnes e frutos do mar ajuda um pouco. Tomar 500 mg de vitamina C por dia durante dois meses diminui os níveis de ácido úrico (em média 0,5 mg/dL). Tomar leite reduz 10% durante 3 horas.

Mas, o que faz diferença é tomar os medicamentos, perder peso e beber muita água.
Fonte: Dr. Drauzio Varella

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Fuja das dores no ciático

Sentir dores latejantes para andar ou simplesmente permanecer sentado pode ser culpa do nervo ciático. O maior nervo do corpo humano começa nos últimos espaços entre as vértebras da coluna lombar e se ramifica até os membros inferiores, passando pela bacia. E esse é o caminho por onde a dor se irradia. Em geral, o desconforto é tanto que alguns movimentos, como levantar, por exemplo, ficam travados. Caminhar também fica complicado já que fica difícil jogar o peso das pernas sobre os pés durante uma crise.

"A dor é resultado da compressão do nervo, como no caso de hérnias de disco ou por ficar com a postura errada", explica o ortopedista do Hospital São Luiz, Francisco Arquimedes Tintori. "A dor no ciático piora ou melhora com alguns movimentos e ou posições, diferente da cólica renal que é constante e não melhora nas mudanças de posições", completa.


Não há uma causa específica para as dores no nervo ciático . Ela pode ser resultado da obesidade, do sedentarismo, da má postura, de desvios posturais e até de uma artrose degenerativa.

O exame  Para identificar o problema, em primeiro lugar é feito o teste de Lasegue, em que o paciente fica deitado e um dos membros inferiores (perna) é levantado. A dor surge quando o membro atinge um ângulo de 30° com a maca. "Há também a possibilidade de um exame radiográfico para verificar o nível de compressão do nervo, mas o principal exame é a Ressonância Nuclear Magnética", diz Tintori.

Tratamentos
Qualquer método que tenha como finalidade melhorar as dores no ciático envolve a descompressão do nervo. Para dar fim ao drama, há a possibilidade de tratamentos cirúrgicos e não-cirúrgicos. O método cirúrgico, com melhor evolução do paciente após o procedimento, é o chamado artrodese, que consiste em fixações com parafusos e hastes para abrir espaço na região da compressão do nervo.

A escolha pelo melhor método depende de cada caso. Quando as hérnias de disco são de grande volume e apertam o nervo, o método mais recomendado é a cirurgia. Porém, mesmo que a operação seja o melhor caminho, ainda assim há restrições. Nos casos de obesidade mórbida, pessoas com problemas de coagulação ou quando há contra-indicação clínica, do ponto de vista cardiológico, o tratamento não-cirúrgico é o mais indicado.

Para quem não precisa e nem quer encarar o bisturi, o pilates  é um dos métodos mais procurados e eficientes. Mas a prática é um pouco diferente da que é feita nas academias. "O exercício deve ser acompanhado por profissionais fisioterapeutas e direcionado para resolver esse problema", explica o ortopedista. A recuperação é lenta e os resultados aparecem cerca de um mês após o início do tratamento. Já o tratamento cirúrgico apresenta um resultado mais rápido, porque ocorre a descompressão total da hérnia discal.

Previna-se da dor
Segundo o especialista, há a possibilidade de amenizar as dores no nervo - antes que elas fiquem insuportáveis. Vale apostar em reeducação alimentar (para evitar o sobrepeso) e exercícios físicos para eliminar a sobrecarga e não prejudicar a postura. Os melhores exercícios incluem o pilates, além do reforço das musculaturas do abdome, lombar e glúteos. O especialista ainda dá a dica da cadeira de trabalho ideal para manter a dor longe: evite cadeiras que permitam movimentos exagerados, como aquelas que arcam demais para atrás. A cadeira ideal não precisa ser a mais desconfortável da loja, mas tem assento firme e o encosto reto. Na hora de dormir, opte por ficar de barriga para cima. "Separe também um apoio, como uma almofada, para ser colocado atrás dos joelhos e não forçar o nervo", sugere o especialista.
Fonte:http://www.minhavida.com.br/

domingo, 20 de maio de 2012

História/Origem do MMA

A evolução do MMA é rica em detalhes e repleta de mudanças significativas, que fez com que chegasse ao seu auge em 2011 e esse ano de 2012 promete agitar ainda mais seus horizontes, já que o MMA além de invadir o Brasil, irá estrear um Ultimate na Europa, na Suécia.
Bom, vamos deixar a história moderna de lado e vamos conhecer o MMA desde o seu nascimento, onde tudo começou de ano em ano, regras, e etc… Você irá entender como surgiu a modalidade, a evolução do esporte e como o lutador pode fazer para ganhar um combate, e muito mais.

MMA: origem, evolução, regras e tudo sobre a modalidade

A sigla em inglês para Artes Marciais Mistas se refere a uma modalidade de luta onde são permitidos golpes e técnicas de luta no chão (judô, jiu-jitsu e wrestling) e em pé (boxe, muay thai e caratê). Antigamente chamado de Vale Tudo, o esporte foi criado no Brasil na década de 30 pela família Gracie, com o objetivo de mostrar a superioridade técnica da arte marcial difundida entre o clã: o Jiu-jjtsu Gracie. O conceito básico do Vale-Tudo, aos poucos, foi lapidado e chegou até o das artes marciais mistas, um esporte profissional. A modalidade ganhou o mundo pra valer a partir de 1993, com a realização do primeiro UFC. De lá para cá, obviamente, muitos nomes estiveram em destaque, onde anos mais tarde, mais precisamente em 1993, o filho mais velho de Hélio, Rórion Gracie, criou um evento de vale tudo nos Estados Unidos, o UFC. O campeão seria aquele que vencesse um torneio eliminatório de oito homens, sem limite de tempo, em que técnicas de qualquer arte marcial eram válidas.
Nessa época, as lutas eram desenvolvidas sem limite de tempo, luvas ou regras e regulamentos que garantissem a integridade física dos lutadores. Os confrontos eram, basicamente, entre praticantes de modalidades distintas que tentavam subjugar umas as outras. Foi neste contexto que os irmãos Gracie venceram diversos confrontos, popularizando o jiu-jitsu e dando fama internacional ao sobrenome da família.
As primeiras edições foram vencidas pelo irmão de Rórion, Royce, que chamou a atenção por finalizar adversários bem mais fortes e pesados sem precisar desferir socos. Estava criado o embrião do maior evento de lutas do mundo, que hoje conta com verdadeira legião de fãs, sendo o esporte que mais cresce nos últimos anos.

UFC: O MMA moderno

Em janeiro 2001, depois de sucessivas ameaças de falência e de boicotes das redes de televisão, a SEG vendeu o UFC para a Zuffa, empresa administrada pelos irmãos Frank e Lorenzo Fertitta, empresários de cassinos norte-americanos. O contrato de aquisição dos direitos do evento foi no valor de U$S 2 milhões de dólares, a medida que hoje, apenas 9 anos depois, o torneio vale cerca de U$S 1,5 bilhão de dólares.
Tamanha valorização se deve ao investimento da Zuffa na promoção do esporte como um show. Divisão dos atletas em um número maior de categorias, regulamentação junto a Comissão Atlética de Nevada, realização de eventos ao redor do mundo, reality show com lutadores da organização e jogos de vídeo games foram algumas das novidades implantadas pelos empresários que garantiram visibilidade ao esporte.
Através do esforço dos irmãos Fertitta, não só o UFC cresceu, como possibilitou ampliar o mercado e tornar possível o surgimento de diversos eventos de grande visibilidade, tais como Strike Force, WEC, Dream, Cage Rage e Bitetti Combat. Essa nova era do MMA é marcada por eventos bem organizados, atletas bem preparados e por desmistificar a imagem negativa de banalizador da violência, que era associada ao esporte.

Fique por dentro

Os combates podem ser realizados em dois “ambientes”; no ringue ou no octógono. O tempo da luta é divido em três rounds de cinco minutos com 60 segundos de descanso entre eles, com exceção às disputas de cinturão, quando a luta é definida após cinco rounds de cinco minutos.

São quatro maneiras distintas de se terminar uma luta:

Decisão; Três árbitros acompanham as lutas na beira do octógono e são responsáveis por dar notas a cada lutador em todos os rounds. O princípio é dar 10 ao lutador mais efetivo no round e 9, ou até menos, ao adversário.
Desistência; Ocorre quando um lutador desiste através de sinalização (verbal ou gestual) quando não se encontra em condições de prosseguir no combate, seja devido a uma contusão ou a uma finalização – golpe característico de lutas de solo. Ex: chave de braço e estrangulamento.
Nocaute; Nocaute é quando um dos lutadores recebe um golpe que o deixa sem condições de prosseguir no combate. Esta decisão cabe ao juiz, ou aos médicos, caracterizando um nocaute técnico.
Desqualificação: Acontece quando o árbitro do ringue interpreta que um dos lutadores aplicou um golpe ilegal intencionalmente ou efetuou algum movimento proibido de acordo com as regras repetidas vezes, como segurar nas grades.

O OCTÓGONO


 
Os Octógono de 750 metros quadrados, 32 metros de diâmetro e 6 metros de altura, foi criado com a segurança dos lutadores em mente. Suas paredes e superfícies almofadadas protegem combatentes para que eles não caiam fora do ringue. Os ângulos evitam que os lutadores fiquem  presos em um canto sem saída. O combate pode ser parado em um ringue comum, mas no Octógono nenhuma disciplina das artes marciais tem vantagem. Enquanto a luta está em andamento, apenas os dois lutadores e um juiz são permitidos dentro da gaiola. Entre Rounds, os dois portões são abertos para permitir que os cornermen e os cutmen entrem no ringue.
 
1- LUTADORES
O Octógono tem um canto azul e um canto vermelho, e os lutadores são atribuídos cada um sua cor. Eles usam fita azul ou vermelha em torno de suas luvas para indicar que eles estão em tal canto. Depois de entrarem no ringue, os adversários esperam em seus respectivos cantos, até o árbitro iniciar a luta.
 
5 - JUÍZES
Três juízes licenciados pontuam cada round de cada luta, no caso dos dois homens ainda estarem de pé no final. Nestes casos, a luta vai para a decisão e o vencedor é determinado pela pontuação dos juízes.
 
2 - ÁRBITRO
Um árbitro está fora da Octagon antes da luta para inspecionar o corpo dos lutadores, assegurando que ninguém entre no ringue com alguma outra arma que não seja seu corpo ou alguma escuta. Uma vez que o lutador é inspecionado, ele entra no octógono. O árbitro dentro do ringue garante que os lutadores cumpram as regras e, se necessário, pára a luta.
 
6 - COMENTARISTAS
Joe Rogan e Mike Goldberg comentam sobre a luta ao lado da ação. Uma vez que a luta acaba, Joe Rogan entra no ringue para entrevistar os lutadores.
 
3 - CUTMEN
Cutmen são atribuídos a cada canto vermelho ou azul por sorteio. Antes que o lutador entre na gaiola, o cutman aplica vaselina para as sobrancelhas e bochechas, que são as áreas sujeitas a cortes. O cutmen não entra na jaula entre as rodadas a menos que um lutador esteja cortado ou tenha um edema facial.
 
7 - EXECUTIVOS DO UFC
Executivos do UFC assistem ao evento de assentos próximos ao octógono. Eles decidem quem vai ganhar bônus no final da noite por Melhor Luta, Melhor Nocaute e Melhor Finalização.
 
4 - CORNERMEN
Cornermen ou Corners existem para motivar e fornecer instrução entre as rodadas para o lutador. Eles geralmente fazem parte de grupo que treinou o mesmo. Apenas duas pessoas têm permissão para entrar na gaiola para cada canto, então se um cutman é exigido, apenas um dos Corners pode entrar entre os rounds. Os Cornermen também massageiam os músculos, aplicam gelo e fornecem água se necessário.
 
8 - AS MENINAS DO OCTÓGONO &TRADE
Estas moças segurando os números dos rounds estão alí para mais do que apenas refrescar os olhos, elas informam qual round está para começar circulando em volta do ringue.
 
DE ANO EM ANO: 
 
 
1993/1994 – Royce Gracie – nos primórdios da ‘internacionalização’ da modalidade, o brasileiro representante da família mais tradicional de lutadores do mundo reinou pra valer no octógono e venceu as edições 1, 2 e 4 do UFC.
 
 
1995 – Marco Ruas – o carioca foi vencedor do UFC 7 e estabeleceu novo padrão de luta ao misturar estilos em uma época em que isso era quase heresia. Seu lema é “se você soca e chuta, eu agarro. Se você agarra, eu soco e chuto”.
 
 
1996/1997 – Apareceu então a fera Mark Coleman – onde o jiu-jitsu era dominante, mas os wrestlers norte-americanos adaptaram o estilo da modalidade de origem, mudaram o jogo com padrão de luta mais rústico, agressivo e eficiente. Mark Coleman foi um dos grandes destaques da época, com títulos das edições 10 e 11.
 
 
2000 – Kazushi Sakuraba – Os eventos no Japão começavam a ganhar força e o lutador mais carismático do país dava os primeiros passos rumo ao estrelato que se manteria nos anos seguintes, com vitórias contundentes sobre os membros da família Gracie e outros atletas de ponta.
 
 
2001 - Wanderlei Silva – o curitibano apelidado de “cachorro louco” foi o grande destaque do ano, com a conquista do primeiro cinturão dos pesos médios do Pride. Wand manteria as atuações de destaque durante os próximos anos até a extinção da organização asiática e a consequente entrada para o UFC, onde está até hoje.
 
 
2002 – Rodrigo Minotauro – foi o início dos ‘anos de ouro’ na carreira do brasileiro, com lutas e finalizações sobre ‘monstros’ da época e até hoje lembradas pelos fãs como clássicos absolutos do esporte.
 
 
2003/2004 – Fedor Emelianenko – a grande lenda russa do MMA teve inúmeros momentos de glória no Pride e ganhou fama de ‘invencível’ com atuações sólidas e nocautes fantásticos sobre os maiores nomes da época.
 
 
2005 – Maurício Shogun Rua – considerado o grande prodígio brasileiro da época, aos 23 anos Shogun venceu uma sequência duríssima de oponentes de renome, como Rampage Jackson, Rogério Minotouro Nogueira, Alistair Overeem e Ricardo Arona. Com o feito, se tornou campeão do GP dos médios do Pride, considerado até hoje uma dos torneios mais ‘casca-grossa’ da história do esporte.
 
 
2006/2010 – Anderson Silva – O Spider faturou o título dos médios no UFC em 2006, e até hoje o mantém com maestria e soberano na categoria. Está invicto há 14 lutas no Ultimate. É considerado o lutador mais perfeito do mundo nos rankings pound for pound (independentes de peso).
 
 
2011 – Jon Jones – campeão mais jovem do UFC desde a incorporação das categorias de peso, Jones, aos 24 anos, já é referência do esporte e encabeça a nova geração de lutadores. Em 2011, faturou o cinturão da categoria e atestou a superioridade com mais três vitórias convincentes, a última delas contra o Brasileiro Lyoto Machida, a qual apagou o brasileiro no octógono.
 
Fonte: News MMA

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Xadrez Básico


Objetivo

O objetivo final é capturar o rei adversário.

Preparação

Cada jogador começa com 16 peças, dispostas na primeira linha na seguinte sequência: torre, cavalo, bispo, rei e dama (a dama na casa da sua cor), bispo, cavalo e torre. Na segunda linha 8 peões. Note que a torre da direita deve estar em uma casa branca.
As brancas começam.

Como Jogar
A cada vez um jogador faz um movimento. As peças tem movimentação diferenciada, o que faz com que tenham valores diferentes. Veja em resumo como se comportam as peças:

· Rei - é a peça mais valiosa pois se capturado a partida termina; pode movimentar-se em qualquer direção, mas só uma casa; não pode se mover para uma posição em que possa ser imediatamente capturado
· Dama – é a peça mais poderosa; pode ir para qualquer direção
· Torre – movimenta-se na horizontal ou na vertical
· Bispo – movimenta-se na diagonal
· Cavalo – movimenta-se uma casa na diagonal e uma casa na horizontal ou vertical, afastando-se do ponto de que partiu; é a única peça que pode pular outras no seu caminho
· Peão – movimenta-se uma casa para frente (da posição inicial pode avançar duas casas de uma vez); captura avançando uma casa na diagonal (é a única peça cujo movimento na captura é diferente do movimento normal); nunca pode recuar; se chegar até a última casa de uma fila é promovido a qualquer outra peça (só não um rei)

Captura: se dá por substituição; uma peça que tomar o lugar de uma peça adversária a terá capturado; a peça capturada sai do jogo; não é permitido capturar uma peça da sua própria cor.

Xeque: quando o rei é ameaçado, está em xeque; se não tiver defesa, é xeque-mate e final de partida. A defesa contra um xeque pode ser de três tipos: mover o rei, capturar a peça que está dando xeque ou colocar uma peça entre a peça que está dando xeque e o rei (a não ser que seja um cavalo, pois ele pode saltar sobre as outras peças).

Roque: um movimento especial em que o rei avança duas casas na direção da torre e a torre salta por cima do rei. Pode ser feito com qualquer uma das duas torres, mas para isso é preciso que nem o rei nem a torre tenham ainda se movido. Além disso, é proibido fazer roque quando se está em cheque.

En passant: assim que um peão avança duas casas, se ele parar ao lado de um peão adversário, o peão adversário pode capturá-lo avançando em diagonal, como se o primeiro peão tivesse avançado apenas uma casa e não duas.

Final de Partida

Se um jogador der xeque-mate no outro, ele vence. Se um jogador não puder mover nenhuma peça mas não estiver em xeque, a partida é considerada empatada. Se um jogador não tiver material suficiente para dar xeque-mate no outro (pelo menos uma dama ou uma torre ou dois bispos ou um bispo e um cavalo ou um peão, que possa ser promovido), também é empate. Ainda é possível que, em qualquer momento do jogo, os dois jogadores de comum acordo considerem a partida como empatada. Um jogador que achar que não tem mais chance, pode abandonar a partida, dando a vitória ao adversário.

ALGUNS PRINCÍPIOS ELEMENTARES

Importância das peças:

A importância das peças varia de acordo com a posição. Uma peça bem colocada é mais poderosa que uma peça mal colocada. Mas é necessário que o principiante tenha uma noção dos valores das peças para que possa julgar quais trocas lhe serão favoráveis. Um dos meios mais comuns é tomar um peão como unidade para dar valor às outras peças. Os valores então seriam:

Dama - 9 a 10
Torre - 5
Bispo - 3 a 3,5
Cavalo – 3 a 3,5
O rei tem valor absoluto, já que sua perda implica na derrota.

A ABERTURA

A seguir, alguns princípios para o decorrer da partida que é importante ter em mente especialmente nos primeiros lances, a fase conhecida como abertura.

Desenvolver as peças:

Levar as peças da posição inicial para posições mais centrais, especialmente os bispos e cavalos. Costuma-se desenvolver pelo menos um dos cavalos antes de mover os bispos. As torres e a dama geralmente são as últimas a serem movidas. Até que a maioria das peças esteja melhor colocada, não se move a mesma peça duas vezes, a menos que isso seja necessário ou possa trazer um benefício imediato.

Procurar ter controle do centro:

Como o valor das peças depende de sua posição e mobilidade, ganhar ou perder espaço no Xadrez é algo importante. É recomendável ter algumas peças ou situadas nas casas centrais ou apontando para elas. Geralmente se avança um dos dois peões centrais duas casas e pelo menos um dos cavalos é movido para a coluna do bispo.

Colocar o rei em segurança:


Uma vez atingido um grau mínimo de desenvolvimento, é importante fazer o roque, porque ele deixa o rei mais protegido, além de colocar uma das torres em jogo.

O MEIO JOGO

Jogados alguns lances, o tabuleiro já está numa posição bem diferente da inicial. No centro há peões e boa parte das peças já está melhor posicionada. O rei está protegido pelo roque. Começa então o meio jogo, a fase onde a grande luta vai ser travada. A seguir, alguns princípios gerais, formulados por William Steinitz, primeiro campeão do mundo de Xadrez, no sinal do século 19:

O exército dominante pode atacar, e deve fazê-lo; caso contrário correrá o risco de perder a vantagem. Deverá atacar o ponto mais fraco da posição do adversário.
Aquele que está na defesa deve querer defender-se e fazer temporariamente concessões.
Em toda posição equilibrada, os dois lados manobram procurando inclinar o equilíbrio a seu favor. Mas uma posição equilibrada gera outras também equilibradas, caso os jogadores joguem com precisão.

A vantagem pode consistir em uma grande e indivisível ou em um conjunto de pequenas. O lado predominante na luta de posições deve acumular pequenas vantagens e transformar as variáveis em constantes.

FINAL DE PARTIDA

Algumas características do final de partida.

Final de partida é o período do jogo em que a posição já está bem simplificada, com poucas peças sobre o tabuleiro.
O rei tem papel importante: o rei abandona sua posição do roque e se dirige ao centro do tabuleiro, protegendo seus peões e atacando os do adversário. Controla um bom espaço e impede a penetração das peças adversárias.
Tenta-se promover os peões: em geral esse é um dos objetivos principais no final de partida. Com o auxílio de uma nova dama, fica mais fácil decidir a partida.

Fonte: angelfire.com

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Marcapasso - Principais Dúvidas

O sistema elétrico do coração pode apresentar bloqueios que não permitem a passagem do impulso elétrico. Quando isto acontece, o coração bate mais lentamente, o que resulta em bradicardias ou batimentos lentos do coração, que podem ser acompanhados também de desmaios, tonturas e/ou cansaço.
Tipos de Bradicardias

Existem 3 tipos básicos de bradicardias, dependendo do local onde o bloqueio do sistema elétrico do coração esteja ocorrendo. Quando bloqueio ocorre no nódulo sinusal, que é o marca-passo normal do coração, dizemos que há disfunção do nódulo sinusal. Além disso, o bloqueio do impulso elétrico pode ocorrer no nódulo atrioventricular ou nos ramos direito ou esquerdo do sistema elétrico do coração. O importante é que todos esses tipos de bloqueio podem levar à diminuição do número de batimentos cardíacos e causar sintomas como tonturas, desmaios e/ou cansaço. Dependendo do tipo de bloqueio e dos sintomas que ele esteja causando, pode haver necessidade de implantar um marcapasso artificial.
O que é marcapasso?

O marca-passo é um pequeno e leve dispositivo para estimulação elétrica que consiste em um gerador de pulsos e eletrodos. O gerador elétrico é composto por um circuito eletrônico miniaturizado e uma bateria compacta. O marca-passo é capaz de perceber a atividade cardíaca, e, quando não há nenhuma pulsação natural, libera um impulso elétrico que leva a contração do músculo cardíaco. O marca-passo é ligado ao coração através de eletrodos (fios que comunicam o gerador ao coração). É através desse fio que os sinais elétricos são transportados do e para o coração.
Há dois tipos de marca-passo:
  1. Marca-passo câmara única – o eletrodo é colocado no ventrículo direito (parte inferior do coração);
  2. Marca-passo câmara dupla – são colocados dois eletrodos, um no átrio e outro no ventrículo direitos. 
 Por que o marcapasso é importante?

Doenças ou mesmo o processo de envelhecimento, podem perturbar o ritmo normal do coração, fazendo com que o coração bata de forma irregular e/ou lenta (bradicardia), levando a sintomas como vertigens, sensação de fraqueza, cansaço e desmaios. O marca-passo pode dar ao coração o suporte necessário para aliviar ou abolir esses sintomas permitindo ao paciente maior segurança para realizar todas as suas atividades diárias.
Qual o preparo necessário para submeter-se ao implante do marcapasso?

Pergunte ao seu médico que medicações você deverá ingerir. Certas medicações (anticoagulantes – warfarin) deverão ser interrompidas. Se você é diabético, pergunte como realizar o ajuste das medicações diabéticas.
Você deverá realizar um jejum (água e comida) pelo menos 6 horas antes do procedimento. Se for necessário ingerir alguma medicação, faça-o com uma pequena quantidade de água.

Chegue ao hospital com pelo menos 2 horas de antecedência do procedimento, trajando roupas leves. Deixe jóias e objetos de valor em casa.
Como é a cirurgia?

Existem dois tipos de cirurgia: 1) Cirurgia endocárdica (método mais comum): consiste da introdução dos eletrodos do marca-passo através de veias que chegam ao coração. 2) Cirurgia epicárdica (método mais comum em crianças): é realizada uma cirurgia cardíaca, sob anestesia geral, onde os eletrodos são implantados diretamente no músculo cardíaco e o marcapasso numa bolsa criada abaixo da pele no abdome.

A cirurgia endocárdica é um procedimento relativamente simples e seguro. A cirurgia é realizada sob sedação e anestesia local, ou seja, o paciente não sentirá dor e irá dormir durante todo o procedimento, que dura em torno de 2 a 4horas. Normalmente o marcapasso é implantado na região do tórax logo abaixo da clavícula, do lado esquerdo ou direito. Uma incisão de aproximadamente 2 cm é feita na pele e uma pequena “bolsa” é realizada entre a pele e o tecido acima do músculo, para colocação do gerador. Com o auxílio do Raio-X os eletrodos são colocados através da veia dentro do coração. Após a colocação dos eletrodos, vários testes são realizados para ter a certeza que tanto os eletrodos como o gerador estão funcionando bem. O gerador é então conectado aos eletrodos e colocado dentro da “bolsa” previamente confeccionada.
Após o procedimento, o que deverá acontecer?

Você permanecerá no hospital por no mínimo 12 horas. Geralmente, irá para casa no dia seguinte ao procedimento. Antes da alta hospitalar, você deverá realizar um eletrocardiograma e um Raio X de tórax para checar seus pulmões e a posição dos eletrodos. Siga as orientações abaixo e retorne para avaliação com seu médico com 30 dias.
Recomendações Pós Implante de Marca-passo

1) Evite molhar a ferida e o curativo por cinco dias após o implante.
2) Após 5 dias retire o curativo e deixe a ferida aberta.
3) Tome analgésicos convencionais em caso de dor (Novalgina, Tylenol, Anti-inflamatórios{Voltaren, Motrim, Advil, Cataflan, Naprosyn}).
4) Evite carregar peso no lado do marca-passo por 30 dias.
5) Evite movimentos amplos (ex. pentear os cabelos, pegar objetos em locais altos) com o braço do mesmo lado do marca-passo durante 30 dias.
6) Não há necessidade de retirar pontos (todos os pontos são absorvíveis).
7) Leve sempre consigo a carteira de identificação de portador de marca-passo.

 Carteira de Postador de Marcapasso
8) Não há nenhuma restrição quanto ao uso de aparelhos eletrônicos convencionais (ex. liquidificador, secador de cabelos, TV, rádio, geladeira) ou forno microondas.
9) Ao usar o celular, procure sempre falar do lado oposto ao marcapasso. Evite carregá-lo nos bolsos superiores das camisas.
10) Em aeroportos ou em locais com detectores de metais, cruze rapidamente o campo magnético, evitando ficar parado no portão.
11) Examine a ferida regularmente e comunique seu médico caso verifique sinais de infecção local (vermelhidão excessiva, calor intenso, dor inexplicada, saída de sangue ou pus pela ferida, febre, mal estar geral).
12) Marque consulta com o médico que realizou o implante para revisão do seu marca-passo 4 a 6 semanas após a cirurgia.
13) Entre em contato com seu médico antes de agendar os seguintes exames/procedimentos:
  • Ressonância Nuclear Magnética
  • Radioterapia
  • Litotripsia
  • Procedimentos cirúrgicos que envolvam o uso de bisturi
Como são as avaliações do marcapasso após o implante?

Você deverá fazer acompanhamentos regulares pelo resto da vida. Nas consultas serão feitas avaliações do marcapasso com computadores (programadores). As avaliações promovem um melhor aproveitamento do marca-passo e a identificação de algum problema em seu funcionamento. E, ainda, indica o melhor momento para troca do gerador (A bateria não dura para sempre). A primeira avaliação é realizada após 30 dias da cirurgia. Geralmente, as avaliações subseqüentes são realizadas a cada seis meses.

A avaliação é feita com o paciente com uma posição confortável, colocando-se um aparelho em cima do marca-passo que capta suas informações. Esse aparelho é conectado a um computador (programador) que permite ao médico avaliar a quantidade de energia da bateria, a integridade dos eletrodos, a presença de arritmias, a porcentagem de uso do aparelho e se o funcionamento está adequado ou não. Para tal avaliação, torna-se necessário desacelerar e acelerar a sua freqüência cardíaca durante poucos minutos.
Que atividades eu posso fazer após colocar marcapasso?

Não há limitação de suas atividades. Pode nadar, andar, correr, dirigir carros, trabalhar, viajar, pescar, ter atividade sexual, jogar tênis, vôlei ou golfe, enfim fazer tudo o que você fazia antes.

Tome cuidado para que uma bolada ou traumatismo não danifique o local onde está o marcapasso, pois pode prejudicar a cicatrização total que se faz em torno do aparelho.
Vou viajar, existe algum problema?

Você pode ir a qualquer lugar do mundo e de qualquer maneira (avião, ônibus, trem, etc.). Leve sempre sua carteira de identificação, pois pode haver detector de metais.

Evite apenas a cabine de comando dos aviões.

Fonte: arritmiacardiaca.com.br.

terça-feira, 1 de maio de 2012

VeriChip - A Marca daS bestaS

EUA aprovam a implantação do Microchip OBRIGATÓRIO a toda população para 2013

Obama aprovou a implantação de microchip nos EUA como reforma sanitária para  2013. (em abril)


O microchip será obrigatório, sem o qual não se poderá ter aceso a os centros de saúde.

A implementação que se faz primeiro nos centros de saúde é uma desculpa para muitas outras coisas como por exemplo controlar o ser humano.  Sem ele não se poderá fazer nada, não se poderá comprar nem vender e até realocar o documento de identidade.Todos nossos dados pessoais e movimentos que ficaram  guardados  no sistema.

O implante será na mão o na testa como à bíblia profetiza no Apocalipse 14, 9 (A marca da besta 666).
Este sucesso já é uma lei!, não só um mero rumor… do que começa a gerar a NOM “Nova Ordem Mundial”.
 
 O Vídeo mostrará sobre o que pode ocorrer com a tentativa de retirar o chip e muito mais...

Veja o Vídeo da noticia:
 

Fonte: wilmarmensagens.blogspot
Vídeo: Youtube.